• Subcribe to Our RSS Feed

Geoterapia

geoterapiaA cura que vem da terra

Os antigos egípcios utilizavam a argila como um dos componentes no embalsamamento das múmias e para a preservação de alimentos de origem animal. Na América, alguns grupos indígenas tinham por tradição “enterrar” seus doentes, que eram colocados de corpo inteiro, na posição vertical, dentro de um buraco cavado na terra.

Apenas a cabeça era deixada para o lado de fora e o doente permanecia assim, em contato com a terra, durante muitas horas.

Esse tipo de tratamento era aplicado aos doentes graves. Uma outra revelação aconteceu durante os ataques americanos na Ásia, quando os vietnamitas e os coreanos empregaram o banho de argila para tratar queimaduras sérias. Ainda hoje no Japão a argila é utilizada para conservar, às vezes por vários anos, ovos e outros alimentos.

O homem e a terra:

Universalmente, a terra é a matriz que concebe as fontes aqüíferas, os minerais e os metais. Da terra retiramos o nosso alimento, portanto nada mais natural que utilizá-la com fins terapêuticos.

Em documentários, freqüentemente observamos cenas em que animais selvagens se untam de lama ou permanecem muito tempo mergulhados no lodo úmido. Mesmo o nosso cão doméstico não dispensa seus “banhos de lama” sempre que tem oportunidade. Por instinto, os animais percebem a capacidade que a argila possui como fonte de cura e depuração.

A limpeza de pele ou aplicação da argila em partes do corpo que apresentem inflamações ou estagnações, se dá de forma surpreendente, evitando em muitos casos procedimentos medicamentosos ou cirúrgicos. Este poder estupendo, advém das propriedades dos minerais existentes na argila, quando em contato com a pele produzem reações devidas à presença da sílica, alumínio, ferro, cálcio, potássio, magnésio e o titânio. Estes minerais são esfoliativos e anti-inflamatórios naturais, produzindo rapidamente um efeito dispersivo e benéfico ao organismo.